Translate

quarta-feira, 27 de dezembro de 2017

Você

Você


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Você foi o princípio
De um sonho sem fim,
Encanto mais intenso
Em meu paraíso imaginado.

Você chegou suavemente
Como o silêncio que antecede a tormenta;
Como a calma que pressagia
A explosão de um sentimento;
Você me fez seu.

Você é a música presente
Em todo momento,
É a canção que me faz sorrir,
A melodia que me faz chorar.

Você é o meu dom para escrever,
É a frase perfeita,
A palavra mais linda,
O verso mais doce,
E, às vezes, o meu silêncio encabulado.

Você é o dia que me alucina,
A noite que passo acordado,
O instante que não passa
E a saudade que me mata.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 01 de março de 1993
Abraço!

terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Sua verdade quase sonho

Sua verdade quase sonho


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Sempre que me olha
Com esse olhar de mel,
Eu sinto como se você soubesse
Todos os meus íntimos segredos,
Como se você soubesse 
Do seu domínio sobre meus sonhos.

Mas como esconder um amor tão grande?

Sempre que me sorri
Com esses lábios vermelho-pecado,
O néctar da loucura,
Tão ternos, tão suaves,
Eu sinto como se você controlasse meus atos,
Meus desejos,
E pudesse me levar ao paraíso.

Quando me atrai o olhar
Para as inocentes curvas do seu corpo,
Numa dança hipnótica,
Um ritual imaginativo desnuda seus sonhos feminis,
Seus segredos e mistérios que me fazem te amar.

Sempre que procuro um sentido em viver,
Sua verdade quase sonho
Me dá mil razões para existir.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 03 de setembro de 1992
Abraço!

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

Mais um poema de saudade

Mais um poema de saudade


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Não sei se falar de saudade
Aumenta a dor
Ou reconforta meu coração.
Sei que algo se perdeu,
Levando consigo
Uma parte de mim.

Mas sei também
Que, o que se foi,
Deixou uma parte de si,
E mudou positivamente
O meu jeito de sentir.

Por isso, essa estranha
Sensação de vazio,
De incompletitude.
De repente, não sei se choro
Com o que me dói na alma,
Ou se sorrio
Com a louca esperança
Do reencontro.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 15 de novembro de 2017
Abraço!

quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Acaso imprevisível

Acaso imprevisível


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Nos encontramos
Num desses acasos da vida,
Apenas mulher e homem,
Sem nada planejado, 
Sem nada esperar.

Mas sentimento é assim:
Misterioso.
Surge de um sorriso,
De um brilho no olhar,
De um encanto
Que nada explica.

Ela chegou como brisa
Num fim de tarde de primavera,
Soprando segredos,
Transformando a cabeça 
Cheia de problemas
Numa incógnita poética,
Uma canção descompassada
Que o coração pede que seja eterna:
Amor, paixão e bem-querer.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 28 de outubro de 2017
Abraço!

terça-feira, 31 de outubro de 2017

Sem palavras

Sem palavras


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Que hoje
E para o resto de nossas vidas
Eu me abdique das palavras,
Desnecessárias palavras,
E deixe falar cada gesto meu,
Cada toque ou sorriso,
Para gritar ou sussurrar
Esse amor por você.

Que nossos lábios se toquem,
Se molhem,
Absorvam cada gota desse sabor.

Que nossos corpos se descubram,
Se colem,
Se aqueçam e se mexam
No ritmo envolvente
E febril do prazer.

Que nossos corações
Declarem, em suas sonoras batidas,
O amor manifesto além das palavras.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 28 de outubro de 2017
Abraço!

quinta-feira, 26 de outubro de 2017

Sempre que penso em ti

Sempre que penso em ti


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Hoje, como sempre, eu penso em ti.
Deixo vaguear a imaginação,
Saturando de inspiração a minha alma.

Nesse devaneio poético,
Com sorriso quase patético,
Me permito te amar,
E me aqueço em teu corpo
Como se absorvido fosse
Por tua magia feminina.

Num átimo, o prazer já não é tudo,
E o desejo é apenas um passo ao pecado.
Me importa o teu sentimento
Que, frágil igual uma rosa,
Te faz a pessoa mais linda do mundo,
Te faz essa poesia de menina-mulher.

E em minha demente fantasia,
Onde a única explicação és tu,
O tempo passa e eu não percebo;
E quando desperto desse transe
É que dói a saudade,
Um jeito silencioso do meu coração
Dizer que não consigo viver sem ti.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 30 de março de 1994
Abraço!

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

Caminhos da realidade

Caminhos da realidade


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Muitas vezes o coração se engana,
Se ilude e acredita que ama.

O mundo se resume no ser amado,
E às vezes se ama sem ser amado.

Esperando, convicto, por um sorriso,
Descobre-se que, mesmo no paraíso,

As lágrimas são possíveis e dolentes, 
E que os anjos às vezes são serpentes.

Sozinho, ele chora e se reprime,
Em completo silêncio se exprime.

Se ergue das cinzas qual louco colosso,
Sutil e fugaz qual arisco pássaro.

Então, descobre o verdadeiro amor
E as coisas que têm realmente valor.

Sem fantasias, ele ama forte,
Um amor que insistirá além da morte.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 31 de março de 1994
Abraço!

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Oração de poeta

Oração de poeta


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Deixe-me ficar em silêncio
Qual fizesse a mais íntima prece.
Deixe-me à mercê do meu sentimento,
Este voraz inimigo que me aquece.

Deixe-me exorcizar esse demônio
Que, de tão anjo, só faz doer.
Deixe-me matar este profano sonho
Que insiste em não morrer.

Afasta de mim essa taça de vinho,
Pois, este ébrio já perdeu o caminho - 
Folha outonal ao querer do vento.

Ensina-me um ritual qualquer
Que me traga de uma vez essa mulher
Ou tire-a do meu pensamento.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 30 de abril de 2001
Abraço!




terça-feira, 26 de setembro de 2017

Mistura perfeita

Mistura perfeita


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Ela tem sorriso de menina,
Doce, inocente.
Tem gestos leves,
Primaveris,
Uma flor bailando
Orvalhada pelo amanhecer.

Mas quando toco seu corpo
E beijo sua boca,
Ela se transforma.
Seu olhar brilha
Como mil sóis de malícia,
Sua pele vibra, febril,
Cheira a desejo,
Seu corpo tem gosto de sexo,
De delicioso demônio.

E é esse contraste
Que me cativa,
Que me faz querer essa prisão,
E que faz o amor que sinto
Flutuar entre demônios e anjos.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 23 de setembro de 2017
Abraço!

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Além dum poema

Além dum poema


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Hoje, quero palavras,
Absurdas palavras,
Que expliquem
Esse mar bravio e enlouquecido
Que grita em meu coração;

Palavras que suavizem
Esse incêndio incontrolável
E imprevisível
Que alguma canção
Chamou de amor.

Mas palavras
São povoadas de silêncio
Quando o sentimento 
É mais alto do que o céu,
Mais profundo do que a alma;

Palavras são inúteis
Quando a verdade
Está no coração, indelével,
E legível nos olhos
E atitudes.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 02 de setembro de 2017
Abraço!

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Desabafo

Desabafo


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Minha alma parece perdida,
Ferida,
Porque a poesia muitas vezes
Nasce de lágrimas.

Mas o que fazer
Quando o poema é refúgio,
Quando as palavras,
Mesmo reticentes, dolentes,
São um abrigo
Para sentimentos tamanhos
Que se cobrem de silêncio?

Não há grito que cubra
A cicatriz de um sonho.
Mas existem sementes de esperança
Que, plantadas,
Um dia irão florir.

E assim segue a vida,
Os sonhos,
Dores e amores,
A poesia simples e pura.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 24 de agosto de 2017
Abraço!

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Meu tudo

Meu tudo


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Sempre me surpreendo com teu sorriso.
Vejo a cada dia que passa
Mais cumplicidade,
Mais leveza
E mais amor.

Como não haveria de te amar?
Esse amor me faz melhor,
Me faz crescer,
Me faz mais forte
Na tentativa de te fazer feliz.

Eis o que aprendi:
Te fazer feliz é o jeito que encontrei
Para me fazer feliz.
Porque és o meu mundo,
Minha eterna amada,
Meu tudo.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 13 de agosto de 2017
Abraço!

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

A conquista

A conquista


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Chegaste como cheia de rio,
Arrastando tudo,
Provocando medo,
Indomável,
Abrindo caminhos.

Chegaste fazendo do homem
Um infante qualquer,
Trazendo a incerteza
De quanto tempo ficaria.

Chegaste brilhando
Como o amanhecer,
Revelando sonhos,
Cheirando a desejo,
Com promessas de dores e sabores.

Trouxeste mistério,
Propondo caminhos inseguros
Sem dizer uma palavra.
Entraste em minha fortaleza
E eu não ofereci resistência.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 13 de agosto de 2017.
Abraço!

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

O quanto te quero

O quanto te quero


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Nem mesmo o vento, forte e irreverente,
Ou o estentóreo poder da tempestade,
podem te levar de mim, não, nem mesmo o sol
Brilha tão forte quanto meu amor, um arrebol
Tão poético quanto som de felicidade.

Nem mesmo um anjo, gentil e tão inocente,
Ou um demônio, perverso e inconsequente,
Podem fazer com que eu te esqueça,
pois, mesmo quando estou só e distante,
Tudo o que desejo ardentemente é poder te ver.

Nem mesmo o mar e suas indomáveis vagas
Ou o céu enigmático desafiando minhas asas - 
Nada disso é tão mágico quanto teu olhar.

Nem mesmo a morte, fria e inevitável,
Ou o desígnio da sorte, uno e imutável,
Podem fazer morrer o meu sentimento.
mesmo que eu fique triste e sem alento,
Te amar é tudo o que faz a vida possível
E me inspira à doce rima de um sentimento eterno.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 17 de junho de 1994
Abraço!

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Se eu te perdesse

Se eu te perdesse


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Quando eu olhar em teus olhos
E não sentir esta tão linda canção
Que agora sinto,
Eu sei que vou chorar.

Quando eu chamar teu nome
E não ouvir a tua voz,
Mesmo que em sussurro, me responder,
Bem sei que me sentirei vazio.

Quando, na noite fria,
Eu procurar teu beijo
Ou o calor do teu corpo,
Se não encontrar,
Sei que vou enlouquecer.

Quando estiver distante
E a espera parecer eterna,
Sei que meu coração inventará uma saudade.

Quando o meu amor for explicado
Por simples palavras,
Quando te fizeres ausente estando presente,
Quando teu carinho não tiver ternura,
Quando o teu melhor não for para mim,
Nesse dia, eu sei que vou morrer.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 11 de setembro de 1993
Abraço!

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Carentes de verdade

Carentes de verdade


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Quem pode definir o amor?
Acaso, um simples sonhador?
Ah! Nisso somos todos boçais,
Somos pequenos, quase irreais!

O que pode dizer um poeta ou pensador?
No amor não somos intelectuais,
Somos instintivos, quase animais.

Ora! Quando nos falta explicação,
Quase sempre ignoramos a razão,
E surge, suplente, a poesia.
Na verdade, nossas medíocres fantasias.
E o amor permanece na indefinição.

Ah! Como explicar a lágrima sentida?
E o riso, a felicidade vivida?
Como entender esse sentimento?
Qual a sua verdadeira face:
Reprimida, extrovertida, paz ou tormento?
Ah! Esse louco sentimento de rima indefinida!


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 25 de setembro de 1993
Abraço!

quarta-feira, 19 de julho de 2017

Soneto à perfeita musa

Soneto à perfeita musa


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Que me falhe a poética, seja eu vero,
Ou fique afônico, perca a melodia;
Que eu chore ao divagar por sobre espinhos,
Sem, no entanto, ficar sem tua poesia.

Ah! teus méleos, divinos, lábios vermelhos,
E o balouçar sedutor de tuas melenas!
Minha deusa-menina de belos negros olhos,
Amo teu carinho, meiga flor de açucena.

E quando o teu sorriso faz mistério,
E teu olhar malicioso me diz: - "te quero",
Meu mundo se resume em viver os sonhos teus.

Só em ti me inspiro à felicidade.
E, mesmo sem rimas, digo-te só a verdade
E sorrio ao fazer teus os sonhos meus.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 03 de novembro de 1994
Abraço!

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Coisas do destino

Coisas do destino


  Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Caminhos vão e vêm, sem rumo;
Veleiros sem leme, sem vento;
Sonho sem esquadro, sem prumo;
Poesia no útero do pensamento.

Aqui, dois sonhos se encontraram,
Mulher e homem, talvez meninos.
E, num átimo, se desencontraram
Num tarde demais do destino.

Não se perderam.
Seguiram.
Quem ama espera a próxima volta.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 29 de setembro de 2000
Abraço!

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Fascínio

Fascínio


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Seus olhos são dois mundos,
Dois universos misteriosos;
São dois pedaços de noite,
Um segredo a ser desvendado.

Às vezes, eles me dizem muito.
De repente, quase nada.
Acho que é proposital
Não se revelar por inteiro.

Mas uma estrela intensa
Brilha sempre nesse mistério:
A pureza da sua verdade,

A beleza incondicional da sua alma,
A profundidade do seu sentimento.
Tudo isso me fascina, me faz seu.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 24 de junho de 2017
Abraço!

quarta-feira, 28 de junho de 2017

O vencedor

O vencedor


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Vim por caminhos incertos,
Às vezes, na mais densa escuridão,
Tateando, quase parando.

Tropecei em tantas pedras,
Me feri em agudos espinhos,
Estive à beira de desistir.

Mas vi tantas alvoradas,
Maravilhei com a singularidade
De cada amanhecer.

Colhi tantas flores pelos campos,
Me deliciei com o calor de mil abraços,
Senti o sabor da conquista.

O que sou é a soma
De cada derrota, cada vez que fui ao chão,
De cada vez que me levantei,
Cada vez que venci a mim mesmo,
E de cada momento que comemorei
A verdadeira felicidade.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 24 de junho de 2017
Abraço!

quinta-feira, 22 de junho de 2017

O avesso de mim

O avesso de mim


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Olhei-me no espelho
E ele me disse:
- "És tão gaio!"
Eu lhe respondi:
- "O que existe de feio ou belo,
Em mim ou qualquer pessoa,
Você não consegue mostrar.

Porque eu sou luz
E escuridão;
Sou multidão festiva
Ou triste solidão.

Eu sou a fé que tudo produz
E a descrença que mata sonhos;
Eu sou rico,
Sou pobre;
Sou indiferença,
Sou amor;
Sou frio,
Sou calor;
Sou o avesso de mim."


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 10 de junho de 2017
Abraço!

terça-feira, 13 de junho de 2017

Desejo

Desejo


     Foto; Daniel Carvalho Gonçalves


No início os olhos se encontram
Sem muitas intenções,
Mas com a profundidade
Do oceano.

As palavras voam suaves
Como pétalas na primavera,
Pousam em algum canto do coração,
Encantando.

O primeiro toque é divino,
Leve, poético,
Febre embrionária.

Então, o incêndio avança,
Lábios molhados que se envolvem,
Procuram, sedentos,
O sabor do outro.

Mãos resvalam o corpo,
Carentes e carinhosas,
O corpo deseja a posse
E o amor explode,
Gozo dos deuses.

Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 10 de junho de 2017
Abraço!

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Longa expectativa

Longa expectativa


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Ai! Saudade! Dorido fogo ardente,
Febre louca pela mulher distante!
Deusa, como espero tê-la presente
E abraçá-la qual o mais carente infante.

Sei que esta noite parecerá eterna.
Só quem ama sabe o quanto lhe preciso.
Você é meu sonho, minha luz mais terna,
A razão inexorável do meu sorriso.

Deus! Este amor rege a minha vontade;
Ninguém jamais provocou tanta saudade
Nem deixou tanto vazio em sua ausência.

No afã por seu beijo, minha alma festeja,
Já lhe sinto aqui, onde quer que esteja,
E me entrego a você nesta poética inocência.

Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 31 de dezembro de 1998
Abraço!

quarta-feira, 31 de maio de 2017

Vivificação

Vivificação


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Mergulhei no oceano do meu sentimento
E encontrei, quase ileso, um velho conhecido:
Meu ego romântico, capaz de buscar alento
No fêmeo encanto dum paraíso perdido.

No entanto, borboleteava tão triste,
Quem sabe perdido em suas contradições,
Sabendo que o amor que o move não desiste,
Mas transforma-se em dores e paixões.

Talvez fosse essa a tristeza de quem tem medo
De quebrar o silêncio dos seus segredos
E ter que encarar-se num espelho.

Mas, eis que seus olhos brilharam, lucipotentes,
E seu coração descompassou-se, demente - 
Epinefrina da magia de dois lábios vermelhos.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 03 de agosto de 2000
Abraço!

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Incontestável

Incontestável


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Meu coração está em suas lagoas,
Nos sonhos e fantasias
Que nascem em suas margens,
Na delicadeza rara
Do espelho de suas águas.

Meu coração pulsa forte
Com a imponência de sua serra,
Com a mágica canção
De sua cascata,
Com o mistério inato de suas grutas
E a agreste doçura 
Do seu cerrado.

Meu coração vislumbra o futuro
Em seus prédios,
Aplaude o progresso responsável
De suas fábricas,
Brinca com a arte dos seus projetos,
Funde-se à energia 
Inexorável do seu amanhã.

Meu coração passeia, extasiado,
Por seus bairros, cada rua,
E abraça cada pessoa que passa,
Homens, mulheres e crianças;
Reconhece sonhos, esperanças e lutas,
Porque também faz parte
Desse povo feliz e batalhador.

Meu coração se paixona
Por você em cada manhã,
Em cada promessa do dia que amanhece,
Na sedução das suas noites,
Na familiaridade das suas feiras,
Na múltipla cultura dos seus artistas.

Meu coração silencia-se,
Respeitoso,
Ante a vária religiosidade
Dos seus habitantes,
Ante a humanidade
Daqueles que vivem em seu seio,
E choro, emocionado,
Me faltam palavras,
Porque é maravilhoso
Ser ou estar sete-lagoano.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 17 de outubro de 2010
Abraço!


quarta-feira, 17 de maio de 2017

À mulher mais importante da minha vida

À mulher mais importante da minha vida


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Em minha mediocridade, quis te dar o mundo,
Algo tão precioso quanto o teu sorriso
Ou o teu olhar, capazes de me tocar profundamente - 
Todos os sonhos do mundo não contam o quanto te preciso.

Resta-me o silêncio do meu sentimento,
Minha alma extravasando poesia,
Pois, és religião, meu sol, meu alimento.
Ah! Queria te dar toda alegria!

Hoje, quando nada tenho além de poemas,
Quero agradecer-te, minha adorável pequena,
Pela magia de viver num paraíso ao teu lado,

pelo abraço cúmplice, pela mulher maravilhosa
Que és, simples, delicada, explosiva e poderosa,
A mulher que amo, meu eterno anjo encantado.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 20 de dezembro de 1998
Abraço!