expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Translate

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

Como o vento

Como o vento

  Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Trouxestes nos olhos uma adaga,
Fria como límpidas águas de um rio.
Tudo disseste apesar de calada,
Pois, tens magia em teus lábios macios.

Trouxeste sonho com teu riso malicioso,
Volúpia em teu corpo lindo e febril,
O calor de um vinho num dia chuvoso,
O doce pecado de tua dança feminil.

Vieste tão rápido que me deste medo,
Medo de deixar que entrasses em meu segredo,
Dominasses minha fortaleza de aço,

Me fizesses teu servo, teu amante,
Depois partisses para muito longe,
Deixando apenas saudade do teu abraço.

Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 28 de julho de 2000
Abraço!

quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Apocalipse

Apocalipse

  Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Tempestade em fúria, meu coração descompassa
Neste estranho amor que não passa,
Disfarça,

Finge que te esqueceu,
Que te perdeu,
Morreu.

No espelho o homem sorri, dolente,
Do poeta, do sonho inocente,
E, então, silente,

Foge, ocultando seus olhos vermelhos,
Como se fora algum segredo
Seu exótico medo

De saber-se menino,
De não saber seu destino.

Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 23 de janeiro de 2001
Abraço!

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

Sina inevitável

Sina inevitável

    Foto: Daniel Carvalho Gonçalves



Ai, que num mundo agreste e indolente,
Onde a desventura é fado constante,
Se versejam, irônicas, rimas de amor.

Ali, por entre pedras e entre espinhos,
No inferno que orleava um caminho,
Nasceu, viçosa e sonhadora, uma flor.

Breve se fez tarde, o seu primo arrebol,
E em sua inocência, abraçou o sol,
Admirada e reverente: - "és tão gaio!"

Veio a noite tépida, de brisa mansa, 
E ela sonhou, repleta de esperança, 
Com seu galante amado, febo doirado.

Assim, despertou, cálida e poética,
Sem conhecer a sua sina patética,
Pois, ao fim do dia, jazia exânime.

Ora, a perfídia do destino quis que
Seu amado fosse também seu carrasco,
E ela morreu, sentida, por seu amor impossível.


Danile Carvalho Gonçalves
Escrito em 05 de janeiro de 1995
Abraço!