expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Translate

terça-feira, 5 de setembro de 2017

Além dum poema

Além dum poema


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Hoje, quero palavras,
Absurdas palavras,
Que expliquem
Esse mar bravio e enlouquecido
Que grita em meu coração;

Palavras que suavizem
Esse incêndio incontrolável
E imprevisível
Que alguma canção
Chamou de amor.

Mas palavras
São povoadas de silêncio
Quando o sentimento 
É mais alto do que o céu,
Mais profundo do que a alma;

Palavras são inúteis
Quando a verdade
Está no coração, indelével,
E legível nos olhos
E atitudes.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 02 de setembro de 2017
Abraço!

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Desabafo

Desabafo


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Minha alma parece perdida,
Ferida,
Porque a poesia muitas vezes
Nasce de lágrimas.

Mas o que fazer
Quando o poema é refúgio,
Quando as palavras,
Mesmo reticentes, dolentes,
São um abrigo
Para sentimentos tamanhos
Que se cobrem de silêncio?

Não há grito que cubra
A cicatriz de um sonho.
Mas existem sementes de esperança
Que, plantadas,
Um dia irão florir.

E assim segue a vida,
Os sonhos,
Dores e amores,
A poesia simples e pura.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 24 de agosto de 2017
Abraço!

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

Meu tudo

Meu tudo


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Sempre me surpreendo com teu sorriso.
Vejo a cada dia que passa
Mais cumplicidade,
Mais leveza
E mais amor.

Como não haveria de te amar?
Esse amor me faz melhor,
Me faz crescer,
Me faz mais forte
Na tentativa de te fazer feliz.

Eis o que aprendi:
Te fazer feliz é o jeito que encontrei
Para me fazer feliz.
Porque és o meu mundo,
Minha eterna amada,
Meu tudo.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 13 de agosto de 2017
Abraço!

quinta-feira, 17 de agosto de 2017

A conquista

A conquista


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Chegaste como cheia de rio,
Arrastando tudo,
Provocando medo,
Indomável,
Abrindo caminhos.

Chegaste fazendo do homem
Um infante qualquer,
Trazendo a incerteza
De quanto tempo ficaria.

Chegaste brilhando
Como o amanhecer,
Revelando sonhos,
Cheirando a desejo,
Com promessas de dores e sabores.

Trouxeste mistério,
Propondo caminhos inseguros
Sem dizer uma palavra.
Entraste em minha fortaleza
E eu não ofereci resistência.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 13 de agosto de 2017.
Abraço!

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

O quanto te quero

O quanto te quero


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Nem mesmo o vento, forte e irreverente,
Ou o estentóreo poder da tempestade,
podem te levar de mim, não, nem mesmo o sol
Brilha tão forte quanto meu amor, um arrebol
Tão poético quanto som de felicidade.

Nem mesmo um anjo, gentil e tão inocente,
Ou um demônio, perverso e inconsequente,
Podem fazer com que eu te esqueça,
pois, mesmo quando estou só e distante,
Tudo o que desejo ardentemente é poder te ver.

Nem mesmo o mar e suas indomáveis vagas
Ou o céu enigmático desafiando minhas asas - 
Nada disso é tão mágico quanto teu olhar.

Nem mesmo a morte, fria e inevitável,
Ou o desígnio da sorte, uno e imutável,
Podem fazer morrer o meu sentimento.
mesmo que eu fique triste e sem alento,
Te amar é tudo o que faz a vida possível
E me inspira à doce rima de um sentimento eterno.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 17 de junho de 1994
Abraço!

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Se eu te perdesse

Se eu te perdesse


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Quando eu olhar em teus olhos
E não sentir esta tão linda canção
Que agora sinto,
Eu sei que vou chorar.

Quando eu chamar teu nome
E não ouvir a tua voz,
Mesmo que em sussurro, me responder,
Bem sei que me sentirei vazio.

Quando, na noite fria,
Eu procurar teu beijo
Ou o calor do teu corpo,
Se não encontrar,
Sei que vou enlouquecer.

Quando estiver distante
E a espera parecer eterna,
Sei que meu coração inventará uma saudade.

Quando o meu amor for explicado
Por simples palavras,
Quando te fizeres ausente estando presente,
Quando teu carinho não tiver ternura,
Quando o teu melhor não for para mim,
Nesse dia, eu sei que vou morrer.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 11 de setembro de 1993
Abraço!

quarta-feira, 26 de julho de 2017

Carentes de verdade

Carentes de verdade


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Quem pode definir o amor?
Acaso, um simples sonhador?
Ah! Nisso somos todos boçais,
Somos pequenos, quase irreais!

O que pode dizer um poeta ou pensador?
No amor não somos intelectuais,
Somos instintivos, quase animais.

Ora! Quando nos falta explicação,
Quase sempre ignoramos a razão,
E surge, suplente, a poesia.
Na verdade, nossas medíocres fantasias.
E o amor permanece na indefinição.

Ah! Como explicar a lágrima sentida?
E o riso, a felicidade vivida?
Como entender esse sentimento?
Qual a sua verdadeira face:
Reprimida, extrovertida, paz ou tormento?
Ah! Esse louco sentimento de rima indefinida!


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 25 de setembro de 1993
Abraço!