Translate

quarta-feira, 13 de junho de 2018

Frágil poema

Frágil poema


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Poemas são rastros de tinta
Desenhados num papel em branco,
São histórias vividas,
Sentimentos que palavras
Inutilmente tentam explicar.

Poema é cada sorriso
Da mulher amada,
É cada vez que nosso olhar se encontra,
São todos os instantes
Em que ela me completa,
Se encaixando no corpo
Ou na alma.

Poema é a tempestade
Em forma de saudade
Numa breve ausência dela.
É a paz que sinto
Em cada abraço do reencontro.
Poema é o amor
Que transcende à mera explicação.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 13 de junho de 2018
Abraços!

quinta-feira, 7 de junho de 2018

MARCIA

MARCIA


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Ela é um enigma
A ser desvendado,
Uma pergunta, 
Várias perguntas,
Com tantas respostas.

Ela é calma
Como as águas de um lago,
Mas traz em seu jeito de ser
Um quê de tempestade,
De mar revolto.

Ela tem a doçura
De um anjo,
A delicadeza de uma flor.
No instante seguinte
É um vulcão em erupção.

Ela tem a inocência
De uma criança brincando
E a malícia de uma mulher,
Dona de si, dona de mim.

Ela é frágil
Como uma borboleta
Em um jardim num dia de chuva.
De repente, é forte
Como o estentóreo
De um trovão.

Ela é um beija-flor
À procura do ninho,
De um abraço protetor.
Mas, num átimo,
Ela é o ninho,
O abraço que preciso.

Ela às vezes é chuva fria,
Outras, o sol que aquece
Minha solidão.

Ela é dona de mil facetas,
De tantos contrastes,
Mas em todas elas
É dona de mim,
Dona do meu coração.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 07 de junho de 2018
Abraços!

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Do pouco que fica

Do pouco que fica


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Sou estrada
Para breves sorrisos,
Curtos abraços,
Rostos desconhecidos,
Sentimentos superficiais.

Sou estrada,
Apenas caminho,
Para tantos que vão e vêm.

Sou morada
Para o amor verdadeiro,
Para sentimentos eternos,
Amizades profundas,
Rostos que envelhecem comigo.

Sou morada
Para abraços longos,
Conversas sinceras;
Sou morada
Para poucas pessoas.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 04 de junho de 2018
Abraço!

terça-feira, 29 de maio de 2018

Além de um poema

Além de um poema


                      Foto: Marcia Lopes de Almeida
                           

Hoje quero um poema
Que tenha o aconchego
De um abraço,
Algo tão doce
E tão cúmplice
Que as palavras se calem.

Que as palavras sejam
Desnecessárias,
Que o amor seja maior do que elas,
Que o silêncio
Seja capaz de sussurrar
Cumplicidade.

Que o calor desse abraço
Sufoque toda a solidão,
Toda saudade,
Toda falta,
E me diga bem baixinho:
- "Estou aqui."
E que esse momento
Seja eterno em meu coração.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 29 de maio de 2018
Abraço!

quarta-feira, 23 de maio de 2018

Diáfano

Diáfano


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Não quero um poema qualquer,
Profano
Limítrofe,
Desses que se inventa
Para ser lido simplesmente.

Não tenho a palavra perfeita.
Estou a procura de gestos,
Os gestos mais puros,
Gestos que gritem
Ou sussurrem o amor.

Quero que meu poema
Seja sentimento,
Seja a mulher amada
Dançando, única,
No sangue que me faz viver.

Não quero rima,
Não quero versos vazios,
Quero o amor em sua essência:
Ligação de alma, corpo e coração.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 23 de maio de 2018
Abraços!

domingo, 6 de maio de 2018

Que seja eterna

Que seja eterna


     Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Um dia olhei dentro de mim
E te encontrei,
Passeando faceira,
Tão segura de si,
Tão mulher
E, ao mesmo tempo,
Tão menina,
Que não foi nenhuma surpresa
A forma reverente
Com que te olhei.

Nesse momento, eu sorri,
Sorriso leve
De quem é feliz por ter tido
O privilégio de conhecê-la.

Te amar é algo que não para de crescer,
É como a luz do amanhecer
Tomando, devagar, a madrugada,
É ter alma, corpo e coração
Sonhando em harmonia
Que sua presença seja eterna.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 06 de maio de 2018
Abraço!

sexta-feira, 4 de maio de 2018

De onde eu te vejo

De onde eu te vejo


    Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


De onde eu te vejo,
Vejo-te com devoção,
Deusa num altar poético,
Onde a perfeição
É uma síntese
De qualidades e defeitos,
Luz e sombra que te fazem única.

De onde eu te vejo,
Vejo-te com desejo,
Com descarada volúpia,
Tua pele nua, quente,
Teu cheiro e teu gosto
De encantada fêmea.
Sinto-me colado a ti,
Embebedado por teu delicioso gozo.

De onde eu te vejo,
Vejo-te com um amor tão grande,
Algo que mistura anjo e demônio,
Mas tão intenso e doce
Que só posso acreditar que seja eterno.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 26 de abril de 2018
Abraços!