expr:class='"loading" + data:blog.mobileClass'>

Translate

terça-feira, 29 de outubro de 2013

O paraíso é aqui

O paraíso é aqui


  Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


O paraíso é aqui,
Onde um brilho no olhar
Nem sempre é felicidade
E as vezes prologa uma lágrima.

O paraíso é aqui,
Onde a vida é perfeita
Em sua medíocre imperfeição,
Onde o pecado exige, inescusável,
O alto preço da dor.

É aqui o paraíso,
Onde o homem é indígete
E inexausto em sua constante luta
Contra si mesmo,
Onde a esperança sobeja
Como o mais excelso sonho.

O paraíso é aqui
Dentro de cada um de nós,
Onde o amor permite o êxtase,
Essa vontade de tentar mais uma vez.

Aqui, onde, em meio aos espinhos,
É possível descobrir a mais estética flor:
Nossa capacidade de extravasar os sentimentos
E superar a nós mesmos.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 05 de junho de 1994
Abraço!

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Donos de nada

Donos de nada


  Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


O destino sempre nos surpreende numa curva,
Como se fora um ladrão em noite escura,
Como, num dia de verão, a chuva

Que cai de repente, imprevisível,
Formando uma enxurrada intransponível
Entre a lógica e o sentimento impossível.

Ah! , é um jogo com cartas marcadas,
De intenções mascaradas,
Onde nós somos as cartas.

É a indecisão entre o mal ou bem,
O desconhecer o errado ou certo,
Que nos faz vítimas deste desdém
De quem vende água no deserto.

É o amor à espreita em cada esquina, 
A dor à espera dos restos da caça,
A saudade com ares de felina,
O aplauso ao nosso espetáculo cheio de graça.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 02 de agosto de 2000
Abraço!

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Gênese

Gênese


  Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Quando a saudade é espinho
E não a flor perfumada;
Quando do cálice de vinho
Só resta dor e mais nada;

Quando quero apenas chorar
E preciso sorrir;
Quando tenho tanto para falar
E ninguém para me ouvir;

Quando a noite é interminável
Como o eterno caminho dum cometa;
Quando o pranto é inevitável
E eu só tenho papel e caneta;

Quando o sentimento é tempestade
E eu tento fingir bonança;
Quando da máscara de majestade
Resta o medo, igual criança;

Quando minha alma parece vazia -
Eis-me aqui, destilando poesia.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 06 de maio de 2001
Abraço!



quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Um soneto por acaso

Um soneto por acaso


  Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Poesia é espasmo de saudade,
É canção que lembra a mulher amada,
Um misto de fantasia e verdade,
Um gosto de tudo onde não há nada.

Poesia é ver sorrir o seu olhar,
É ver seu corpo brincar de mistério,
É ver seus lábios, sutis, insinuarem
Inocência, brejeiros: - "te quero".

Poema é grito que sai num sussurro,
É lágrima que dói por trás dum sorriso,
É uma abraço que nunca acontece,

São palavras que, tolas, nunca são ditas,
É a magia de uma flor sentida,
Enfim, são momentos que nunca se esquece.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 13 de novembro de 1995
Abraço!

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

A uma mágica interrogação

A uma mágica interrogação


  Foto: Daniel Carvalho Gonçalves


Num breve muxoxo te fizeste diva,
Me fizeste desejar teu amplexo,
Fizeste minha imaginação festiva,
Corredeira de rio, perigo sem nexo.

Com um olhar de fêmea possessão
Acordaste meu infante e agreste instinto,
Inculpe qual anjo descobrindo a emoção,
Cálida como o mais saboroso vinho,

Entorpecendo os mais bravios sentidos,
Como se fora um demônio ainda inocente,
Uma Eva em meu paraíso bandido,

Uma mulher, uma deusa, deliciosamente,
O pecado de perdão revestido,
Um fogo, uma febre, um sonho insistente.


Daniel Carvalho Gonçalves
Escrito em 25 de julho de 2000
Abraço!